Os museus ao redor do Central Park

Eu já contei aqui no blog que o Central Park é um mundo, né? Então agora preciso dizer que vale a pena reservar mais uns bons dias em Nova York para visitar o que fica em volta do parque: museus maravilhosos, cada um maior e mais interessante que o outro.

Apesar de serem próximos, é impossível ver todos os museus em um dia só (ver um deles inteiro já é difícil). Você pode planejar um roteiro das peças que mais quer ver em cada um ou se deixar perder nas horas enquanto descobre todos os tesouros que se escondem pelas salas de exposição.

O filme "Uma noite no museu" é bobo mas dá uma boa ideia do que há em exposição no Museu de História Natural

Museu de História Natural e Planetário

US$19. Funciona diariamente de 10h às 17h45. Tem visitas guiadas de hora em hora até 15h15.

Seguindo pelo lado oeste do Central Park (na altura da 77th Street), você chega ao gigantesco American Museum of Natural History, que ocupa quatro quarteirões e exibe 30 milhões de espécimes, inclusive os famosos fósseis de dinossauros. Além das visitas guiadas regulares, o AMNH oferece tours temáticos (sobre determinado grupo de animais ou sobre uma determinada era, por exemplo) mas sem programação fixa, tem que chegar lá e ver.

Anexo ao museu, fica o Rose Center for Earth and Space que abriga o Hayden Planetarium (se você é fã do seriado Friends, deve se lembrar da noite que Ross e Rachel passaram ali). Os fãs da paleontologia que me desculpem, mas eu gosto mais de astronomia e acho que o planetário foi um ponto alto da visita.

Não é bobagem recomendar que você visite também a loja do museu, que tem vários brinquedos e livros sobre dinossauros, sobre o espaço, sobre robôs, ciências e nerdices afins.

Galera "hanging out" na escadaria em frente ao Met

Metropolitan Museum of Art

US$ 25. Funciona de 9h30 às 17h30 (vai até 21h às sextas e sábados), não abre às segundas.

Enquanto isso, do lado leste do parque (80th Street), fica o Metropolitan (ou simplesmente Met), um dos maiores museus do mundo, com um acervo que cobre 5 mil anos de história e apresenta peças de todas as partes do mundo – chega a dar agonia!

De uma sala para a outra, você começa por uma pintura de Van Gogh, passa por uma coleção de armaduras medievais europeias e dá de cara com uma esfinge egípcia do século XV a.C. Acho um certo absurdo enfiar isso tudo em um museu só.

É tão obviamente inviável dar conta de um museu tão abrangente assim, que o próprio site do Met sugere alguns roteiros de visitação, conforme o tempo que você tenha disponível ou os temas e épocas de seu interesse.

Só consegui ver a espiral do Guggenheim por dentro. A fachada estava em reforma na época da viagem...

Guggenheim NY

US$ 22. Funciona de 10h às 17h45, exceto às quintas. Visitas guiadas às 11h, 13h e 15h.

Subindo mais alguns quarteirões dali (88th Street), está o Guggenheim e sua bela coleção de arte moderna e contemporânea. Eu sei que sou minoria nesse mundo, mas amo arte moderna e, como você pode ver pelos destaques do acervo, os principais movimentos estão representados lá: cubismo, minimalismo, construtivismo, pop art, tudo, tudo!

Por sorte do azar, na época que eu fui a Nova York, a fachada do Guggenheim (uma obra de arte em si) estava sendo restaurada e eu não consegui apreciar a espiral em sua plenitude. Vale a pena ficar de olho na programação para ver o que está em cartaz entre as exposições temporárias. Volta e meia também tem palestras e oficinas para crianças.

Aliás, o Guggenheim tem filiais em Veneza, Berlim, Bilbao e Abu Dhabi (essas duas últimas têm arquiteturas singulares, com ares futuristas). Aposto que também vale a visita de quem vai viajar para essas outras cidades.

Aos sábados, o ingresso ao Guggenheim é no esquema “pay what you wish” das 17h45 às 19h45. Se você pretende visitar todos esses museus, veja se vale a pena comprar o New York City Pass para ter os ingressos com desconto e evitar as filas. Observe que as visitas se encerram de 15 a 30 minutos antes dos horários de fechamento dos museus.

E se você ainda tiver fôlego, também do lado leste do Central Park fica a Frick Colletion (70th Street), com um acervo de pinturas, tapetes orientais e móveis finíssimos franceses. Mas pra mim, chega!

Leia também:
>> Os melhores passeios e comidinhas de Nova York.
>> Um roteiro de Williamsburg para descobrir NY além de Manhattan.

9 comentários

  1. Atravessei (transversalmente, óbvio) o Central Park a pé de salto no dia em que cheguei em NY pra ver o Guggenheim, símbolo máximo de muita coisa pra mim (acho que foi o primeiro prédio que achei incrível, muito antes de pensar em estudar arquitetura). Amo a circulação dele, acho a galeria helicoidal de uma perfeição absurda. Fiquei horas lá, achando o chão incrível, tirando milhares de fotos, babando ao ver um quadro figurativo do Mondrian… Ai, muito amor pra um lugar só.
    No Metropolitan, eu priorizei (foram 3 dias, eu TINHA que fazer escolhas) ver a exposição absurdamente incrível de Picasso que foi extendida por mais uma semana só pra eu conseguir ver com toda a calma do mundo. E aí depois fiz praticamente cooper pelo museu até a galeria de arte moderna.. Acho meio absurda a variedade de coisas que enfiam lá dentro, o museu parece menor por fora e por dentro parece que é o mundo inteiro (e quase que é)
    História Natural eu só passei na frente de bicicleta e ficou pra próxima (não que na próxima eu não vá no Met e no Guggenheim de novo, mas..)

  2. Eu amo o Moma! Ok, nao fica exatamente ao lado do meu-adorado-Central-Park, mas fica a cinco passos dali. Vale lembrar que a maioria dos museus oferece um dia ou uma tarde 0800, basta verificar no site (as filas podem assustar, mas elas sao relativamente rapidas). Ai, fala mais de NYC, que eu curto muito! 😉

Deixe uma resposta