Coleção Peggy Guggenheim: arte na casa mais bonita de Veneza

Para quem curte arte moderna, visitar a Coleção Peggy Guggenheim em Veneza é como visitar uma amiga. Uma amiga rica e diva, ok, daquelas que só conhecem gente bacana.

O clima do museu é uma delícia, a começar pelo jardim onde fica a bilheteria, que tem instalações de arte até entre as plantas. Ao entrar na casa, a mesa de jantar e o sofá fazem a gente lembrar que Peggy realmente morou ali, o que torna o lugar ainda mais especial.

peggy-guggenheim-arte-no-jardim

A coleção cobre quase todos os movimentos e fases da arte moderna, com obras de Picasso a Magritte. E o mais incrível é pensar que ela conheceu e foi amiga de muitos deles. Fiquei pensando em quantos artistas foram visitá-la ali, quantos papos legais devem ter rolado naquela casa.

Peggy Guggenheim não era simplesmente uma colecionadora, ela gostava de incentivar novos artistas e comprou muitas daquelas obras para dar uma força aos amigos talentosos – como uns tais Marcel Duchamp e Piet Mondrian, já ouviu falar? 😀

peggy-guggenheim-museu-casa-em-veneza

As janelas da casa são quase uma obra de arte em si, com as grades de ferro servindo de moldura para a vista maravilhosa do Grand Canal.

Uma das partes mais fantásticas da visita (e que todos os outros museus do mundo deviam copiar!) são as sessões 10 Minutes Talk: apresentações de 10 minutinhos que eles fazem a cada dia sobre um tema diferente, apresentando a trajetória dos artistas em exposição na casa.

peggy-guggenheim-janela-para-o-grand-canal

Essas mini-visitas guiadas não são nada formais, são simplesmente um bate papo com algum estudante de arte que estagia no museu, mas aqueles 10 minutos são capazes de mudar a forma como você olha para os quadros.

As sessões acontecem todos os dias às 12h e às 16h sobre Peggy, às 11h e às 17h sobre uma das peças e às 15h30 sobre a exposição temporária em cartaz.

peggy-guggenheim-casa-de-peggy-guggenheim

Nós pegamos um sobre Kandinsky e outro sobre a vida da própria Peggy Guggenheim, uma história bem interessante que se mistura à própria história da arte. Nossa guia nos contou tudo sobre os 2 casamentos de Peggy, e nem tudo sobre os seus muitos casos de amor

Pelo sobrenome já dá pra saber que ela era parente do Solomon Guggenheim – aquele dos museus de Nova York e de Bilbao. Mas ela quase não teve contato com o tio, nem conseguiu usufruir da fortuna da família depois que seu pai morreu no naufrágio do Titanic 😮 (era aquele personagem que se vestiu elegantemente para o jantar, mesmo sabendo que o navio estava afundando).

peggy-guggenheim-museu-com-varanda-para-o-canal

Maior parte das amizades (e dos amores) surgiram no período em que ela morou em Paris. Era a década de 20 e Paris era uma festa, um grade ponto de encontro para escritores e artistas da época. Peggy estudava história da arte quando conheceu seu primeiro marido, Laurence Vail, pintor e poeta frances.

Ele teve forte influência no gosto que Peggy passou a ter pela arte moderna e a ajudou a montar as primeiras exposições na galeria que ela abriu em Londres em 1938. Ela chegou a pensar em fundar um museu, mas os planos foram interrompidos pela Segunda Guerra Mundial :/

peggy-guggenheim-arte-moderna-em-veneza

O dinheiro que já tinha sido levantado para o museu foi usado para ampliar sua coleção (especialmente porque, em tempos de guerra, obras de arte eram baratas) mas, como Peggy era judia, percebeu logo que precisava sair da Europa e voltou a morar nos Estados Unidos.

Em Nova York ela abriu sua segunda galeria: Art of This Century, por onde passaram Salvador Dalí, Georges Braque e Joan Miró, além artistas em início de carreira a quem ela deu um “empurrãozinho”, como Jackson Pollock e muitos outros que hoje são consagrados.

peggy-guggenheim-museu-em-veneza

Quando resolveu se mudar novamente para a Europa, em 1947, Peggy se apaixonou perdidamente por Veneza e escolheu o Palazzo Venier dei Leoni para viver pelo resto da vida. Se você reparar, vai ver que esse palácio é mais baixo que os outros à margem do Grand Canal.

A construção de 1750 nunca foi concluída e ele ficou assim inacabado, com apenas 1 andar em vez dos 3 que estavam no projeto de 2 séculos antes. Pessoalmente, acho que ter a casa toda no mesmo nível do jardim acaba sendo um charme a mais.

peggy-guggenheim-escultura-vermelha-na-varanda

Peggy foi uma das últimas personalidades de Veneza a ter um gondoleiro particular e chegava em casa sempre pela porta que dá para o canal.  A escultura vermelha de Alexander Calder, que fica ali no terraço, faz um contraste lindo com a água.

Nos 30 anos que passou ali, ela mesma começou a transformar o palacete em museu: quando chegava o verão, a socialite abria sua casa ao público 3 vezes por semana. A coleção fazia sucesso entre os fãs do modernismo, especialmente porque ela juntou também um acervo de arte americana como poucos na Europa.

peggy-guggenheim-warhol-em-veneza

A visita é um aprendizado tão íntimo sobre a vida de Peggy Guggenheim que no final chega a ser emocionante ver a lápide no jardim, ao lado de seus 14 (!!) cachorrinhos, que ela chama de “beloved babies” na placa de homenagem.

Peggy doou toda a sua coleção à fundação do tio Guggenheim, mas com a condição de que as obras permanecessem em Veneza. Não só eles mantiveram tudo lá como levaram também as coleções Gianni Mattioli e Schulhof – que têm obras dos meus queridinhos Frank Stella e Andy Warhol ♥

Para chegar na Coleção Peggy Guggenheim, você pode pegar o vaporetto 1 ou 2 (parada Accademia ou Salute) ou simplesmente ir a pé. Uma ideia legal para completar o passeio é visitar a igreja Santa Maria della Salute, que fica desse mesmo lado de Veneza. Se der, tente chegar lá por volta das 15h para ouvir os órgãos tocando.

É uma delícia sentar na escadaria da igreja e ver o movimento do Grand Canal, com o Campanário de San Marco na paisagem 🙂

peggy-guggenheim-escada-na-beira-do-canal

Acho que Peggy teria orgulho em saber que aquela casa-museu é hoje uma das coisas mais fantásticas da cidade que ela amava.  As cores modernas dos amigos dela fazem Veneza ainda mais bonita.

banner booking 510x65

21 comentários

  1. Maravilhoso! Seu blog é incrível, e Veneza mais ainda! Pra mim é uma das cidades mais inspiradoras do mundo! Já anotei essa dica, e com certeza vou ‘dar uma banda’ por lá na minha próxima visita à cidade! Muito legal!

  2. Adorei 🙂 Ainda não conheço Veneza, mas gosto de anotar todas as dicas, e esse museu já está na listinha de coisas para fazer quando estiver na cidade.
    Ah, e a janelinha que você mencionou é realmente um charme.

    Abraços

  3. Gente, fantástica mesmo… fiquei aqui babando com cada coisa que você contou. E mais ainda com a história dela… até aquele senhorzinho do Titanic vou passar a ver com outros olhos. rs
    Obrigada por compartilhar uma matéria tão completa!
    Beijos!

  4. Oi Fernanda! Não conhecia a história dela e achei super interessante, muitas curiosidades no texto, inclusive sobre o pai dela ter estado no Titanic. É uma pena que quando fui a Veneza não fiz uma visita ao museu, quem sabe numa próxima.

  5. Que demais! Já fui algumas vezes para Veneza quando morei na Itália e não conhecia esse museu, adorei a história de Peggy, fiquei com muita vontade de ir!! Um beijo!

  6. Que museu demais. Amo arte moderna e sou dessas também que quando vai em um lugar assim onde alguém viveu fico imaginando como deveria ser os papos deles e as reuniões. Quando vi aquele filme Meia Noite em Paris fiquei ainda mais usando minha imaginação. Ótimo post.

  7. Nossa seu texto me capturou totalmente. Fiquei louca para ir a casa de Peggy!!! Estou indo dia 07/06 para Veneza e com certeza colocarei essa casa nas minhas visitas. Valeu!!!

    1. Fiquei feliz de receber sua mensagem, Maria Cândida! Obrigada 💛 Espero que goste de conhecer a casa tanto quanto eu gostei!
      Beijos e boa viagem 🙂

Deixe uma resposta