Os livros da Bebelplatz, em Berlim

A Bebelplatz, a sul da avenida Unter den Linden, é um dos lugares mais interessantes de Berlim. Para começar, nela fica a biblioteca da Universidade Humboldt, onde estudaram Karl Marx, Albert Einstein e um montão de outros gênios (29 ganhadores de Prêmios Nobel!). Do outro lado, está o prédio do banco para onde tanto corre a personagem do filme “Corra, Lola, Corra”.

Bebelplatz Berlim - Humboldt University
Humboldt, a universidade de gênios

Lá também ficam a Catedral de St. Hedwig, que foi a primeira igreja católica da Prússia depois da Reforma Protestante, e o lindo (por dentro) prédio da State Opera, que dava nome à praça – Opernplatz, antes que passasse a homenagear August Bebel, um dos fundadores do Partido Social Democrata Alemão no século 19.

Mas a queima de livros, em 1933, é de longe a história mais incrível desse lugar. Durante o regime nazista, tudo o que fosse crítico ou desviasse dos padrões impostos pela doutrina hitlerista entrava na lista de publicações proibidas. Organizações estudantis, com apoio da polícia e dos bombeiros, se encarregaram da destruição de 20 mil livros em toda a Alemanha, a maioria pertencente a bibliotecas públicas.

Bebelplatz Berlim - Memorial da Queima de Livros
Memorial da Queima de Livros

A Bebelplatz foi palco de uma dessas grandes e terríveis fogueiras, sob a justificativa de que a literatura alemã precisava ser purificada de elementos considerados “undeutsch”.

Hoje, no meio da Bebelplatz, há uma placa de vidro no chão que revela, sob a praça, prateleiras de livros vazias. É um memorial discreto porém muito bonito. Ao lado, a citação do poeta Heinrich Heine: “Onde se queimam livros, acaba-se queimando pessoas”.

Bebelplatz Berlim - Onde se queimam livros acaba-se queimando pessoas
Onde se queimam livros…

E isso é uma coisa que eu admiro muito na Alemanha: o país não esconde a sua história e faz questão de registrar, sempre de forma muito respeitosa, até os momentos mais difíceis. É como se a mensagem fosse nunca esquecer para nunca repetir.

Leia também:

A herança comunista da Hungria
Universidades que valem um passeio