munique-memorial-caminho-dourado-dicas-de-viagem-no-blog-vontade-de-viajar

Numa ruazinha próxima ao Residenz de Munique fica o Caminho Dourado, um memorial tão discreto que, se ninguém te conta, é capaz de você passar por cima sem nem perceber. Mas a história dele é tão legal que vale a pena olhar com um pouquinho mais de atenção…

munique-memorial-na-rua-viscardigasse

Rua Viscardigasse em Munique

Quando a Alemanha estava afundada nas dívidas da Primeira Guerra Mundial, o governo acabou emitindo mais notas de dinheiro como parte dos esforços para pagar as dívidas. A consequência disso, claro, foi uma inflação descontrolada.

Em julho de 1923, a moeda alemã estava tão desvalorizada que 1 dólar equivalia a 1 milhão de marcos. Três semanas depois, na virada do mês de agosto, 1 dólar já tinha passado a valer 100 milhões de marcos! Imagina como seria se uma nota de R$ 100 de repente não fosse suficiente para comprar nem um chiclete.

munique-inflacao-marco-alemao

Inflação em 1923

Era o fundo do poço: as cédulas passaram a ser impressas de um lado só porque a tinta era mais cara que o valor do dinheiro. E foi mais ou menos nessa época que o movimento nazista começou a ganhar popularidade, com a promessa de fortalecer a economia e gerar empregos: tudo o que um cidadão alemão podia querer naquele momento.

Em novembro daquele ano, um cara chamado Adolph Hitler, que já tinha bastante influência local e vivia discursando nos beer halls da cidade, liderou um dos primeiros levantes nazistas na Alemanha – que ficou conhecido como “Beer Hall Putsch”, ou seja, o golpe do bar.

munique-local-da-placa-na-residenzstrasse

Residenzstrasse, onde ficava placa

O nome veio da emboscada armada para um grupo de chefes de governo que estavam bebendo cerveja no bar Bürgerbräukeller. Com as autoridades bávaras detidas, mais de 2.000 nazistas partiram em marcha pelas ruas da cidade para tomar a sede do Ministério da Guerra.

A polícia de Munique conseguiu deter o grupo com um a barricada na Residenzstrasse, a rua que segue a lateral do Palácio Real, bem ao lado do Feldherrnhalle (um memorial aos heróis de guerra alemães). No embate, morreram 16 nazistas e 4 policiais. Reza a lenda que nesse dia o guarda-costas de Hitler levou 11 tiros e sobreviveu!

munique-caminho-dourado

Caminho dourado: memorial

Hitler chegou a ser preso, assim como outros líderes golpistas, mas o desgraçado discursava tão bem que, ao se defender durante o julgamento, acabou ganhando projeção nacional – deixando de ser um mero político local para se tornar um herói da extrema direita.

Dez anos depois, em 1933, quando Hitler tomou o poder, resolveu erguer uma placa em tributo a seus 20 camaradas nazistas mortos no Beer Hall Putsch. Mas peraí: 20? Não eram 16? Pois é, colocaram aqueles 4 policiais na conta.

Munique - Cidadaos tinham que saudar a placa nazista

Cidadãos tinham que saudar a placa

A distorção da história só fez aumentar o desgosto de quem discordava ideologicamente do Partido Nazista (pois apesar de Munique ter ficado conhecida como o local de origem do movimento, mais da metade da população não era a favor). E os subordinados do ditador ainda inventaram de obrigar a população a saudar a placa quando passasse por ela. Guardas da SS se revezavam dia e noite no local, encarregados de punir quem não honrasse a saudação.

Foi assim que a Viscardigasse, uma ruazinha pequena, de repente ganhou importância e acabou levando o apelido de “beco dos insolentes”: por ali, era possível desviar da Residenzstrasse e contornar o Feldherrnhalle sem ter que passar por onde a maldita placa estava instalada.

munique-memorial-paralelepipedos-dourados

Beco dos insolentes: desobediência civil

Hoje, no pavimento da Viscardigasse, uma trilha de paralelepípedos dourados relembra o caminho daqueles alemães que, num gesto silencioso de resistência, se recusaram a demonstrar apoio ao nazismo.

Veja mais dicas de Munique
Share

 

2 Comentários

  1. “para se tornar um herói da extrema direita…”
    Direita? Um regime com características, quase na totalidade, de esquerda virar direita (a grande mídia que fala isso – “direita”) não pega bem. Tirando isso, legal saber desse caminho dourado.

Exibir Comentários