Em Sintra, palácios e doces

Lisboa é uma cidade cheia de charme, mas o que mais me agrada é que ela está rodeada por vilas adoráveis, prontas para atender a gregos e troianos. Em menos de uma hora de trem (ou como dizem os portugueses, comboio), dá para dar uma escapadinha até a praia ou a serra.

Um dos meus passeios favoritos é visitar Sintra. Considerada Patrimônio Mundial pela UNESCO por sua bela paisagem natural, a vila de Sintra é aquele tipo de lugar que se torna um refúgio, um cantinho onde se pode respirar ar puro, botar o pensamento em dia, fazer uma boa caminhada e se deixar envolver pelos monumentos históricos.

Sintra bate e volta de Lisboa - Vila de Sintra
A vila de Sintra vista do alto

O centro da vila é tomado por vários restaurantes e lojinhas de artesanato, que atraem muitos turistas o ano inteiro. Quem passa por ali não pode deixar de experimentar um Travesseiro recém-saído do forno, doce típico da região manufaturado pela antiga fábrica de queijadas Piriquita.

Também faço uma parada estratégica no Cantinho Gourmet para tomar uma Ginjinha (licor feito a partir de um berry chamado Ginja) no copo de chocolate. Muito embora não seja típico da região (é produzido em Óbidos), combina muito bem com o clima serrano de lá.

Não muito longe do burburinho do centro histórico, Sintra oferece várias opções de parques, com seus palácios e castelos. Todos eles recheados de cultura, história e arquitetura.

A Quinta da Regaleira é um dos meus preferidos. Possui um palácio e algumas esculturas espalhadas pelo jardim, mas o mais interessante de lá são as surpresas que gente encontra em sua vasta área verde.

Portugal - Quinta da Regaleira Sintra
Palácio da Quinta da Regaleira

Ao atravessar um lago pulando pedra por pedra, chega-se à entrada de uma gruta. É possível explorá-la até deixar de enxergar um palmo à sua frente, de tão escuro que fica.

Em uma das saídas da gruta, a gente encontra uma torre subterrânea com 27 metros de profundidade, conhecida como Torre Invertida. Construída como Poço Iniciático para rituais maçônicos, é uma das atrações mais curiosas de Sintra.

Sintra - Quinta da Regaleira - Torre Invertida
A Torre Invertida da Regaleira

Serra acima (e eu recomendo que vá caminhando, o que é um belo exercício ao ar livre) está o Palácio Nacional da Pena, que provavelmente é o mais procurado pelos turistas.

O Palácio da Pena é uma das melhores expressões do Romantismo na arquitetura do século 19, e o primeiro palácio deste estilo na Europa.

Outrora pertencente à família real e atualmente um museu, o Palácio chama atenção por sua estrutura em níveis, com torres e pátios de todas as cores, e de lá se tem uma vista incrível da vila e arredores.

Sintra Eca de Queiroz - Palacio da Pena Portugal
Palácio da Pena, em Sintra

Bem perto dali está o Castelo dos Mouros, que mostra a história e a influência árabe no país. O Castelo teve origem na fortificação construída pelos muçulmanos, quando invadiram a Península Ibérica, no século 8.

É uma grande muralha de defesa, que também oferece uma vista privilegiada – com bom tempo, avista-se até o oceano.

Sintra bate e volta de Lisboa - Castelo dos Mouros
Séculos de história no Castelo dos Mouros

Por último, mas não menos interessante, tem o Palácio de Monserrate. Há alguns anos o seu interior não estava muito bem conservado, mas hoje está lindo em todos os detalhes.

Os elementos europeus e mouriscos se misturam com influências indianas nesse palácio que é único em seu estilo.

Sintra bate e volta de Lisboa - Palacio de Monserrate
Gramado do Palácio de Monserrate

O parque de Monserrate também é “cinco estrelas”, para lançar mão de outra expressão lusitana. O jardim é amplo, e nele encontra-se várias espécies de árvores, desde as exóticas até as de cortiça – outra especialidade de Portugal.

O gramado em frente ao Palácio é um convite para ficar sentar ao sol da tarde, contemplando a paisagem.

Portugal - Palacio de Monserrate Sintra
Influência indiana no Palácio de Monserrate

E como se já não tivesse valido a pena, em um dos caminhos de volta para Lisboa está o Cabo da Roca, a ponta mais ao oeste da Europa e dona de um pôr do sol único. Perfeito para fechar o dia com chave de ouro!

Vale lembrar que de abril a outubro os parques ficam abertos mais ou menos entre 9h30 e 19h (veja nos sites), mas durante o inverno o horário de funcionamento é mais curto, entre 10h e 17h.

Se você quiser visitar todos, pode economizar comprando um bilhete combinado que vale para os três parques e palácios, além do Convento dos Capuchos, por € 22. O ingresso da Quinta da Regaleira é à parte, por € 6.

21 comentários

  1. Se quiserem uma dica de lugar para almoçar, procurem a Tasca do Xico no centro da vila. Comi um bacalhau da casa mará! Os preços são medianos (eu diria €€€), mas o restaurante é famoso e tem uma filial em Lisboa.

  2. Uma boa visão externa de Sintra. Apenas acrescento dois sítios mais alternativos que não podem perder quando visitarem esta cidade: Museu do Brinquedo (http://www.museu-do-brinquedo.pt/), com uma enorme colecção de brinquedos coleccionados ao longo do século XX, este museu traz de volta a vossa criança interior. Um regresso à infância por apenas 4 euros.
    Para os interessados em geologia e paleontologia, o Museu de História Natural de Sintra tem entrada gratuita e uma vasta colecção de fósseis de dinossauros e outras espécies extintas que podem ser encontradas na região (http://www.sintraromantica.net/index.php/museus/152-museu-de-historia-natural-de-sintra).

  3. Segui as dicas de Sintra, especialmente as gastronômicas, e AMEI. Fui na Tasca do Xico e foi divino tb… Bjosss e obrigada!

  4. Eu resolvi subir até o palácio da pena a pé. O passeio é bonito, mas fiquei morto e tive que comer mil travesseiros na periquita para ficar bem novamente! hehehehe

  5. Recomendo o passeio é 10! Dá pra curtir legal, o cenário lembra bem as nossa aulas de Historia Geral, com o diferencial da visão “in loco.”
    Saindo de Lisboa pela manhã, a tarde estas de volta, para saborear o inesquecível, Bacalhau de Forno com Castanhas.

Deixe uma resposta