A minha viagem a Bergamo, na Itália, aconteceu por força das circunstâncias. Do Porto (onde eu morava) para Budapeste (onde eu ia visitar minha tia) a passagem direta custava mais de € 300 – mas o orçamento estava apertado e assim não ia dar pra viajar! Revirei os sites de companhias aéreas até descobrir que se eu fosse do Porto para Milão e de lá para Budapeste sairia muito mais barato, mesmo contando com mais uma noite de hospedagem. As companhias aéreas low cost (de baixo custo) na Europa têm desses mistérios.

Bergamo - cidade medieval na Italia

Colonizada pelos romanos no século II a.C.

E foi assim também que descobri uma pegadinha comum desse tipo de voo barato: o destino anunciado é, muitas vezes, distante do aeroporto onde você realmente chega. No caso, o voo da Ryanair para Milão ia parar no aeroporto Orio Al Serio, em Bergamo, uma cidade de 23 séculos de história e apenas 120 mil habitantes.

Para chegar em Milão ‘de verdade’, tem um ônibus executivo que leva 1 hora e custa € 17, ida e volta, incluindo locker para deixar a bagagem no aeroporto durante o dia enquanto você vai passear (muita gente não se hospeda lá porque é caro à beça). Mas naquele dia cheguei à conclusão de que não valia a pena passar uma tarde tão corrida em Milão, perdendo tempo nos translados e tendo que pegar um voo no Orio Al Serio na manhã seguinte.

Então lá fui eu pro centro de Bergamo, de onde se pega o funicular para a Città Alta – “cidade alta”, a parte histórica, ainda com os muros que a cercavam na Idade Média. E bastou uma volta por aquelas ruelas medievais para Bergamo me conquistar.

Com um pouco mais de tempo em Bergamo, dá para visitar com calma o Palazzo Terzi e a Accademia Carrara – que tem um acervo de mais de 1.800 pinturas desde o século XV, incluindo Botticelli e Raffaello.

O antigo castelo no topo da Città Alta tem uma bela vista das casinhas tradicionais e do verde da região

Vista do antigo castelo no topo da Città Alta

E não faltam lanchonetes com as tradicionais pizzas italianas (quadradas, em enormes tabuleiros), além de todo tipo de doces. Mas imbatível mesmo é experimentar um bom gelato italiano, mesmo que já esteja fazendo um friozinho. Potes enormes de Nutella nas vitrines despertam a vontade e sugerem um sabor para o sorvete.

De volta à Città Bassa, quase todos os dias há feiras dos produtores locais, vendendo queijos, pães, azeitonas e comidinhas típicas. Vale o passeio à tardinha para beliscar antes do jantar.

Share

18 Comentários

  1. Pois é, July… Vai ver que a gente se apaixona justamente porque não esperava tanto, né? É uma cidadezinha muito charmosa.
    Escreve um guest post, sim! Aposto que você tem ótimas histórias de viagem para contar!

  2. Oi, Roberto! Acredito que um dia seja suficiente para conhecer a Città Alta, pelo menos.
    Aproveite que a hospedagem é mais barata em Bergamo do que em Milão e dê preferência ao pernoite lá. Se quiser visitar o palácio e o museu, pode esticar um pouco para o dia seguinte.
    Obrigada pela visita ao blog e boa viagem!

  3. Oi, Abel! A cidade alta concentra os pontos turísticos e pode ser uma boa opção se você quer curtir mais o clima do centro histórico. Eu me hospedei na cidade baixa e fiquei satisfeita. O transporte na cidade é fácil e organizado – há muitas linhas que deixam bem perto do funicular que sobe à Città Alta.

    Tem uma caixinha amarela aqui embaixo, no rodapé do blog, onde você pode pesquisar por hotéis na cidade.
    Muito obrigada pela visita e boa viagem!

    • Oi, Talita! Que bom que você gosta do blog ; )
      Não moro em Portugal, não… Fiz intercâmbio na Universidade do Porto mas foi apenas 1 semestre. Estou ansiosíssima para visitar a terrinha de novo!

  4. Ah que pena, pois eu moro no Porto.
    Com certeza irei conhecer Bergamo, assim como vc, só passei por lá por causa do aeroporto :), agora tenho que parar e visitar a cidade.
    Bjs

  5. Putz! Quando estava em Milão acabei indo pra Genova e não tive chance de visitar Bergamo … Por sinal não curti tanto Milão assim e, baseado no seu relato e principalmente nas ruelas medivais, acho que ia gostar de Bergamo.

    Bom, vai ficar para uma próxima mas definitivamente entrou na lista (assim como Nápole).

    Valeu pelo relato Nanda!

    • Valeu pela visita e pelo comentário, Vinicius! Quem sabe um vôo low cost não te leva até Bergamo algum dia?
      Tô vendo que vc tá fazendo uma volta ao mundo irada, vou acompanhar no Facebook 😀
      Abs e boa viagem!

  6. Oi Nanda, vou a Bergamo levar meus papéis para cidadania italiana em março de 2017…do dia11 em diante….devo ficar 15 dias. Acho que vou ficar na Città BBassa…gostaria de uma dica de roupas. O que levar pra 15 dias neste período.? É frio?

    • Oi, Dulci! Que bom, em 15 dias você pode aproveitar bastante! Sem ir longe de Bergamo, você já consegue visitar Milão, o Lago Como, Verona, Parma… 🙂
      Em março ainda é frio, entre 3 e 12 graus. Sugiro levar um casaco bem quentinho, em vez de ficar empilhando várias camadas (é mais prático para tirar/vestir toda vez que entra/sai de um restaurante, museu etc.). E um bom cachecol também faz a maior diferença!
      Quando for reservar seus hotéis, se quiser dar uma força pra gente, usa os links aqui do blog para o Booking. Assim a gente recebe uma comissãozinha que ajuda a manter os custos, sem que você tenha que pagar nem 1 centavo a mais por isso 🙂
      Abs e boa viagem!

Exibir Comentários

Deixe uma resposta

Close