X

banner-out

O que fazer em Budapeste: 7 lugares imperdíveis

Preciso confessar que Budapeste não estava entre meus destinos dos sonhos até que, em 2008, minha madrinha foi morar lá. Eu definitivamente não sabia o que estava perdendo!

Ao mesmo tempo em que ostenta a beleza clássica das grandes capitais europeias, Budapeste provoca aquele fascínio que só se sente quando a gente encara grandes choques culturais. Ainda tive a sorte de visitar a cidade num mês de abril, quando o sol anima os húngaros recém-saídos do inverno e as flores colorem as praças.

budapeste-praca-erzsebet
Praça Erzsébet

Para quem planeja uma viagem pelo Leste Europeu, aqui vai um roteiro com 7 passeios imperdíveis pelas principais atrações da cidade. Nem de longe dá conta de tudo o que fazer em Budapeste, mas já é o suficiente para você também se apaixonar.

1. Castelo e a vista maravilhosa

O Castelo Budapeste abriga não apenas o palácio real mas também o Museu de História e a Galeria Nacional. É interessante dar uma volta pelo entorno para ver os jardins e o bairro que ainda guarda traços da Idade Média.

budapeste-ponte-das-correntes-vista-do-castelo-de-buda
Ponte das Correntes

O terraço próximo ao portão com a estátua do Turul (ave mitológica que é um símbolo húngaro) é uma área muito bonita, de onde se tem uma vista incrível sobre o rio Danúbio, que corta a cidade, e a bela Ponte das Correntes em frente ao luxuoso edifício do hotel Four Seasons.

Outro ponto interessante na colina do castelo é o Bastião dos Pescadores, uma construção linda que tem 7 torres, representando as 7 tribos magiares que fundaram a Hungria.

O que fazer em Budapeste - Bastiao dos Pescadores
As torres do Bastião dos Pescadores

2. Antes de sair de Buda, a Citadela

O rio Danúbio divide a cidade em dois – um lado se chama Buda e o outro, Peste (parece piada, mas não é). Aproveitando a visita ao Castelo, pode ser interessante subir o Monte Gellért, que fica no mesmo lado da cidade, para ver a Estátua da Liberdade e perder o fôlego com a vista linda lá do alto. Com um pouco mais de tempo, também vale entrar no bunker, para ver como era o abrigo antiaéreo construído pelos alemães durante a Segunda Guerra Mundial.

Veja o parque das estátuas comunistas em Budapeste
budapeste-estatua-da-liberdade-na-citadela-photo-by-rol1000-on-flickr
Estatua da Liberdade

3. O Parlamento e seu fantástico prédio gótico

Cruzando a ponte para o lado de Peste, a gente encontra a sede do Parlamento, num estilo gótico super rico em detalhes. Se tiver tempo, vale a pena fazer uma visita guiada para conhecer as salas, as esculturas e os tapetes que embelezam o interior do prédio.

budapeste-parlamento-hungaro
Parlamento de Budapeste

A 300 metros dali, à margem rio Danúbio, uma das minhas obras preferidas de Budapeste: os sapatos esculpidos em bronze, em homenagem aos judeus mortos durante a Segunda Guerra Mundial. A história é terrível, mas acho importante contar: os nazistas do Partido da Cruz Flechada mandavam as vítimas tirarem seus sapatos antes de atirar e derrubar seus corpos no rio – um passado triste registrado em um memorial singelo e respeitoso.

Budapeste - Estatua sapatos judeus no rio Danubio
Sapatos judeus na beira do rio Danúbio

4. Basílica de Santo Estêvão

Primeiro rei da Hungria, Estêvão se dedicou à cristianização dos povos magiares, fundou diversos mosteiros e foi santificado. Essa é sua Basílica. Enorme, com capacidade para mais de 8 mil pessoas, oferece uma vista muito bonita do alto de sua cúpula.

A partir dali, vale dar uma voltinha pelo centro da cidade para tomar um sol na Erzsébet Tér (Praça Elizabeth), comer uns doces na confeitaria Gerbeau (na Vörösmarty Tér) ou bater perna pela Andrássy Út, longa avenida repleta de lojas, mansões, palacetes e museus – como a Casa do Terror, que mostra o impacto das guerras decorrentes da ocupação nazista e da ditadura comunista na vida da população húngara.

5. Central Market Hall

O Nagycsarnok é o mercado mais antigo da cidade, com três andares cheios de lojinhas de artesanato e souvenirs, além de vegetais, peixes e carnes. É uma boa oportunidade para experimentar o lángos, uma massa frita às vezes servida com batata e sour cream, perfeito para um lanche.

A fachada do mercado é mais bonita que a parte de dentro, com um ar gótico no portão de entrada e telhado coberto de mosaicos de porcelana (embora, nesse quesito, o Museu de Artes Aplicadas seja imbatível).

budapeste-mercado-foto-nicko-cruises
Mercado de Budapeste

Quanto às comprinhas, que tal levar um cubo mágico? O brinquedo foi inventado por um húngaro (daí o nome Rubik’s Cube) e é vendido em várias lojinhas do mercado central.

6. A Praça dos Heróis e o Parque

A Praça dos Heróis é um dos pontos mais interessantes de Budapeste, a começar pelo Monumento Milenário, com sua sequência de colunas e estátuas das grandes personalidades da história húnagara.

No centro, um obelisco com os sete líderes das tribos magiares, que formaram a Hungria, aos pés do Anjo Gabriel. Também merecem uma visita o Museu de Belas Artes e o Palácio da Arte, que ficam à esquerda e à direita da praça.

budapeste-praca-dos-herois-wikimedia-commons
Praça dos Herois – Foto: Petr Smerkl

A Praça dos Heróis é a porta de entrada do Városliget, o Parque da Cidade – um lugar perfeito para um passeio em família, com direito a zoológico, parque de diversões e um circo tradicional.

No Városliget também fica um dos banhos turcos mais famosos de Budapeste, o Szechényi, com suas águas termais entre 30 e 40ºC (outra opção é spa do hotel Gellért).

budapeste-com-criancas-banho-turco-spa-szechenyi
Piscinas termais no spa Széchenyi

7. Surpresas e bares no Distrito Judeu

A região que fica entre as ruas Király, Erzsébet e Dohány era o gueto judeu, um bairro isolado do resto da cidade durante a Segunda Guerra Mundial. Hoje, é uma área animada cheia de street art, albergues e “ruin pubs” como o Szimpla Kert – bares que começaram a surgir nos prédios que estavam abandonados.

O que fazer em Budapeste - Bares em Ruinas - Szimpla Kert
Bares em ruínas: Szimpla Kert

Depois de visitar a Grande Sinagoga e o Museu Judaico, vale se perder pelas ruas do bairro e terminar a noite num desses bares que estão dando uma cara nova à cidade.

Leia também: a herança comunista em Budapeste