Quem já viu aqui no blog as dicas de como escolher um albergue sabe que eu amo ficar perto de uma estação de metrô. Agora imagina a minha felicidade ao ficar num hostel em Londres perto da King’s Cross St. Pancras, uma estação ligada a não apenas 1 mas 4 linhas de metrô!

hostel-em-londres-clink-261-lounge-foto-do-blog-vontade-de-viajar

Era muito fácil chegar em quase qualquer lugar que a gente quisesse ir, da Torre de Londres ao Big Ben. Mas era especialmente bom saber que os bairros mais interessantes da cidade estavam sempre a menos de 5 paradas da gente: os restaurantes e as lojinhas divertidas de Covent Garden, as maluquices de Camden Town, os sabores Borough Market (London Bridge Station), as cores dos grafites de Shoreditch (Liverpool Street e Aldgate East)…

A King’s Cross St. Pancras também era muito estratégica para a nossa logística de viagem. Chegamos na cidade de trem, vindo de Edimburgo, e desembarcamos justamente ali. Na hora de seguir para Amsterdam, nosso voo partia do aeroporto London Luton – e adivinha de qual estação se pega o trem expresso para o Luton? Pois é.

hostel-em-londres-clink-261-sala-de-estar-foto-do-blog-vontade-de-viajar

Escolhemos o hostel Clink261, que fica no número 261 da Gray’s Inn Road. O forte de lá são as áreas sociais, decoradas num estilo “God Save the Queen” bem moderninho. O lounge de TV que fica ao lado da cozinha está sempre movimentado – gente lendo, batendo papo, usando o computador (inclusive porque é lá que a internet pega melhor rs)…

Os quartos variam bastante de tamanho e espaço, alguns têm lockers embaixo da cama e outros não (acho que depende da reserva, se é um dormitório fechado para grupos etc.) mas todos podem usar os lockers que ficam na recepção para guardar os objetos de valor.

hostel-em-londres-clink-261-recepcao-foto-do-blog-vontade-de-viajar

O nosso quarto era privado, com lugar para 3 pessoas, mas ficamos só eu e Guilherme lá. Era pequeno mas tinha uma portinha de armário para pendurar casacos e uma pia que quebrava o galho, pois os banheiros são compartilhados.

Nos arredores da King’s Cross tem várias lanchonetes (inclusive o Prêt-à-Manger, que eu adoro) e o bairro todo é bastante animado. Coladinho no Clink261 a gente encontra um mercado Cooperative, que fica aberto de 7am às 11pm e tem várias opções de refeições prontas. É super prático para comprar e levar para comer na cozinha do albergue – uma alternativa econômica, pois os restaurantes em Londres podem ser bem caros.

hostel-em-londres-clink-261-quarto-triplo-privadohostel-em-londres-clink-261-panorama-da-cozinha

A 5 minutinhos dali fica o outro albergue da rede, o Clink78, que é ainda maior (com capacidade para 500 pessoas!) e mais animado. Como os dois são super grandes, eles recebem muitos grupos e até turmas inteiras de estudantes europeus. No porão do Clink78, um dos maiores trunfos do albergue: o Clash Bar, que todas as noites tem alguma programação – seja torneio de sinuca, karaokê ou festa do pijama!

Share

5 Comentários

  1. Olá! Obrigada pelas dicas! Queria ver se você pode me dar mais uma ajuda. Estou organizando uma viagem a Londres em novembro e encontrei algumas opções de hospedagem com bom custo-benefício perto de Kings Cross, do lado de Argyle Square e Euston Road. Só que encontrei alguns comentários falando que a região da estação não é segura e teria muitos drogados/assaltantes/mendigos ali naquela área. Como estou viajando sozinha, queria saber se a situação ainda é essa. Você pode me ajudar com informações? É tranquilo andar por lá durante o dia e à noite?

    • Oi, Gisele! Eu não presenciei nada estranho, mas é difícil dizer (inclusive porque eu estava viajando acompanhada e não costumo voltar de madrugada para o hostel)… A minha percepção foi de uma região bastante movimentada, com comércio, lanchonetes etc. e fiquei muito satisfeita com a facilidade de ter diversas linhas de metrô. Talvez você possa dar uma olhada no Google Maps, navegar um pouquinho pela área, para ter uma ideia.
      Beijos e boa viagem!

Exibir Comentários

Deixe uma resposta

Close