O templo dourado na montanha de Chiang Mai

Já na saída de Chiang Mai, na Tailândia, visitamos um dos templos mais bonitos de todo o nosso roteiro pelo Sudeste Asiático: o Wat Phrathat Doi Suthep, construído no topo de uma montanha, a mais de mil metros de altitude.

Tailandia Chiang Mai Doi Suthep - Templo dourado na montanha

O templo era tão alto que estávamos em meio à neblina. O ônibus nos deixou já na parte de cima da Huay Kaew Road, mas ainda tínhamos pela frente uma enorme escadaria, ladeada por imagens da Naga em mosaicos coloridos.

A Naga é a serpente mitológica que protegeu Buda da tempestade e, por isso, muitos santuários têm essa figura guardiã na entrada.

Os mais de 300 degraus levam às pagodas douradas no centro do Doi Suthep. Em alguns momentos, a neblina sequer nos permitia ver toda a estrutura do templo – mas com o céu claro, a montanha revela uma bela vista sobre a cidade de Chiang Mai.

Tailandia Chiang Mai Doi Suthep - Poses de Buda

O templo tão lindo começou a ser construído no século XIV, quando a Tailândia ainda não era como a gente a conhece. Naquela época, a região norte do país pertencia a Lanna, “o reino de milhões de campos de arroz”.

É desta época que veio a arquitetura com o telhado em vários níveis contornado de pontinhas, tão característico do norte tailandês.

Foi no topo do monte Suthep que parou e bramiu, em seus últimos momentos de vida, o elefante branco que carregava um pequeno osso que teria sido de Buda – uma relíquia presenteada ao Rei de Lanna. Este era o sinal para que ali fosse construído um santuário para abrigar o osso milagroso.

Lá em cima, vale tocar gentilmente um dos gongos para anunciar a sua visita. Fizemos isso em um outro templo entre os vários espalhados por Chiang Mai.

Tailandia Chiang Mai Doi Suthep - Buda de Esmeralda

Recebemos a benção de um monge, simbolizada por uma pulseirinha de barbante que levamos conosco. Não é permitido o contato dos monges com mulheres, então ele só amarrou o barbante nos braços dos meninos, e apenas entregou a cordinha para as meninas.

Feito o nó, não deve ser desatado por pelo menos 3 dias (e não pode cortar, hein! Se quiser tirar, tem que desamarrar).

Tailandia Chiang Mai Doi Suthep - Barbante do monge

Um imenso número de imagens de Buda se espalha em pequenos altares montados por todos os cantos. Um dos conjuntos de estátuas é uma sequência que representa os 7 dias que levaram Buda ao nirvana e à sabedoria plena.

O pessoal adora essa parte, porque rola uma brincadeira de ver em que dia da semana você nasceu e o que isso diz sobre você, tipo um horóscopo.

Tailandia Chiang Mai Doi Suthep - Templo no alto da montanha

São ao todo nove posturas (pois segunda e quarta têm mais de uma imagem), cada representando uma passagem de sua história.

Confesso que não sei muito sobre a cultura budista, então não sei os nomes oficiais, mas se eu pudesse resumir em apenas uma palavra o significado de cada dia, seriam: apreciação (domingo), conciliação (segunda), iluminação (terça), generosidade (quarta), meditação (quinta), contemplação (sexta), proteção (sábado).

Tailandia Chiang Mai Doi Suthep - Poses de Buda a cada dia

Embora não se perca de vista que aquele é um local sagrado para os budistas, o Wat Phrathat Doi Suthep é a atração número 1 de Chiang Mai e a movimentação de turistas é grande.

As barraquinhas de souvenir se concentram à beira da estrada e nos degraus mais baixos da escada, antes da Naga. Bijuterias, artesanato e bugigangas de todo tipo dividem espaço com kits de oferendas que incluem vela, incenso e flor de lótus.

Tailandia Chiang Mai Doi Suthep - Templo budista

Antes de ir embora, os visitantes podem escrever nomes e mensagens no manto dourado que será colocado na pagoda principal.

Se a sua viagem coincidir com o início de um período letivo (acho que em junho ou novembro), você ainda pode ver uma enorme fila de estudantes subindo a montanha à pé – ritual que faz parte do trote aos calouros da Universidade de Chiang Mai.

Tailandia Chiang Mai Doi Suthep - Escadaria serpente Naga - Templo dourado

Leia também:

Templo Branco: um bizarro cenário de conto de fadas.
De barco pelo Rio Mekong, na fronteira da Tailândia com o Laos.
A noite nos mercados da Ásia.

13 comentários

  1. Olá! Vc foi para o templo por conta propria (carro ou algum meio de transporte) ou é preciso contratar uma operadora de turismo que o levará até os degraus? Obrigada!!

    1. Oi, Gisele! Eu estava viajando com um grupo, então fomos de ônibus. O templo fica a uns 40 minutos do centro da cidade – você pode procurar um tour (tem passeios combinados com o zoológico e outras atrações) ou você pode ir de “taxi” (que lá é uma mistura de caminhonete com tuktuk). Negocie o preço e veja a possibilidade de dividir com outros viajantes se quiser economizar. Alguns turistas gringos comentaram que em frente ao portão Chiang Pak e em frente à Universidade de Chiang Mai costuma ter bastante tuktuk pra levar até o templo 😉

Deixe uma resposta


Close