Colaboração de Fernanda Castro, que viajou pelos Bálcãs em outubro de 2013.

Não sei se foi o efeito da luz do sol, mas de uma parte alta da estrada, avistamos o rio Neretva, lindo, verdinho, entre belas montanhas. Uma paisagem de tirar o fôlego! Estávamos chegando a Mostar, uma charmosa cidade da Bósnia e Herzegovina. Mais precisamente do lado da Herzegovina, em vez da Bósnia…

Para muitos amigos, o meu interesse de conhecer essa cidade soou com estranheza, mas essa é uma região com uma história impressionante e paisagens encantadoras.

Meu coração disparou de ansiedade ao cruzar as ruas da cidade, onde a maior parte de suas cicatrizes estão expostas, ainda não foram curadas. Prédios destruídos, fachadas cravejadas de buracos de balas e um fato que me chamou a atenção: muitas das praças públicas da cidade se tornaram cemitérios. Durante o período da Guerra Civil, no início da década de 1990, a cidade ficou sitiada e não tinha onde enterrar seus mortos – mais de 200 mil vítimas em 3 anos de conflito.

O passado sofrido, ainda tão recente, se reflete no olhar de seus moradores. Você consegue perceber que não são pessoas que exultam alegria, mas são agradáveis anfitriões que nos recebem com imensa doçura.

Seu cartão postal mais famoso é a Ponte Velha, construída pelos Otomanos no século 16, considerada o melhor exemplar da arquitetura Islâmica nos Bálcãs. Os moradores da cidade, sabendo de sua importância, cobriram toda a ponte com pneus e areia para protegê-la durante a Guerra. Mesmo assim ela não resistiu e desmoronou. Após o fim dos conflitos, foi a primeira coisa a ser reconstruída. Hoje, no ponto mais alto dela, ficam uns doidinhos que pulam na água gelada por alguns euros… rs

Uma vez em Mostar, você não pode deixar de aproveitar toda a sua influência turca para comprar muito artesanato em bronze, cerâmicas lindas pintadas à mão, lanternas e coloridas pashminas. Tudo isso você encontrará no bazar da rua principal da cidade velha. Também vale a pena visitar o Museu da Casa Turca, para conhecer alguns hábitos interessantes dessa cultura.

Deu fome? Ćevap é o que você procura: um prato tradicional da região, com carne moída em formato de charutinho, grelhada na brasa, com um pão árabe fresquinho e saladinha de repolho. Para os fortes, um café turco com pó e tudo é, no mínimo, uma opção interessante.

Leia também:
>> As melhores cervejas de Praga, na República Tcheca.
>> O que fazer em Budapeste – 6 passeios imperdíveis.

Share

2 Comentários

  1. Olá! Viajarei para a Europa Oriental em julho, e pretendo ir à Bósnia e Herzegovina especificamente para conhecer Mostar. Pensei em reservar dois dias para a pequena cidade. Tenho dúvidas sobre a chegada… O quanto inconveniente seria essa chegada e saída da cidade para uma mulher sozinha com 2 malas? Sempre prefiro viajar com mochila, mas dessa vez estarei emendando as férias depois de uma viagem de trabalho à Grécia… Agradeço todas as dicas desde já!
    🙂

    • Oi, Ana Carolina! Lá tem algumas crianças que abordam os turistas pedindo dinheiro e às vezes alguns maiorzinhos que assaltam. A Fernanda, que escreveu sobre a Bósnia para a gente, viajou com um grupo e achou mais seguro assim.
      Seria legal aproveitar e passar por Montenegro, é lindo também 🙂
      Valeu pela visita e o comentário. Boa viagem!

Exibir Comentários