Durante a minha viagem pela Jordânia, decidimos pegar um dia e atravessar a fronteira para conhecer Jerusalém, em Israel, e Belém, na Cisjordânia. Da região do Mar Morto é possível fazer este trajeto de ônibus. Fizemos a reserva por debaixo dos panos com um funcionário do nosso hotel, já que países árabes não têm um bom relacionamento com Israel.

Israel - A Terra Santa vista do alto

Um motorista nos buscou em nosso hotel e nos levou à fronteira. Apesar do suspense em torno deste passeio, é um trajeto bem tranquilo e lícito / legal / permitido. O lado da Jordânia possui um ônibus que transporta os visitantes e os funcionários da imigração cuidam de todo o trâmite burocrático para sairmos do país.

O trajeto dura 20 minutos de ônibus e ao chegar no lado de Israel, passamos pelo procedimento normal de imigração. A única diferença é que nossos passaportes não são carimbados porque muitos países árabes não veem com bons olhos o carimbo de Israel.

Israel - Visto de Israel na fronteira da Jordania

Em Israel outro motorista nos esperava e nossa aventura do outro lado da fronteira foi dividida em dois passeios: Belém e Jerusalém.

Belém, local de nascimento de Jesus Cristo, é uma cidade palestina localizada na parte central da Cisjordânia. Israel controla a entrada e a saída de Belém, e tivemos que apresentar nosso passaporte na entrada e na saída da cidade aos soldados israelenses.

Israel - Velas na Igreja da Natividade em Belem

Estudei a minha vida inteira em instituições católicas e, de fato, conhecer Belém foi uma experiência incrível onde relembrei todo o aprendizado da minha religião. A Igreja da Natividade, principal ponto turístico da cidade, foi construída em 326 sobre o local do nascimento de Jesus e é uma das mais antigas igrejas em uso no mundo.

Para entrar, a gente tem que se passar pela chamada “porta da humildade”, uma porta de 125 cm de altura que obriga todos a se curvarem ao adentrar a igreja.

Israel - O local do nascimento de Jesus na Igreja da Natividade em Belem

Lá está localizada a Gruta da Natividade, onde foi o local exato de nascimento de Jesus, marcado por uma estrela de prata de 14 pontas sobre um piso de mármore.

Entre as duas cidades é possível ver o polêmico Muro da Cisjordânia, construído pelo Estado de Israel para evitar a infiltração de terroristas no país.  No lado palestino, o muro passou a ser alvo de diversas manifestações artísticas, ganhando grafites e desenhos. O artista britânico Banksy desenhou uma série de ilustrações satirizando a obra que segregou os palestinos dos israelenses.

Israel - Grafite de Banksy satirisando o Muro da Cisjordania

Em Jerusalém, cidade santa para judeus, muçulmanos e cristãos, iniciamos nosso passeio pela Via Dolorosa. Esta rua começa na Porta do Leão e percorre as catorze estações pelas quais Jesus percorreu ao carregar a cruz até o local onde ele foi crucificado, sepultado e de onde ressuscitou no Domingo de Páscoa, a Igreja do Santo Sepulcro.

A Igreja é abarrotada de fiéis e para fazer a visita é preciso ter muita paciência, já que a maioria está muito emocionada e é bem difícil se movimentar na igreja pela quantidade de pessoas.

Israel - Via Dolorosa em Jerusalem

Depois de visitar a Cidade Velha de Jerusalém seguimos o passeio para o bairro judeu, notoriamente mais limpo e bem organizado. Lá visitamos o lugar mais sagrado da Terra Santa para os judeus: o Muro das Lamentações.

A importância se dá porque é a única parte que sobrou da destruição do Templo de Salomão, o primeiro templo construído em Jerusalém. Muitos fiéis judeus visitam o local para orar e depositar seus desejos por escrito em pequenos pedaços de papel entre as pedras do muro.

Israel - Muro das Lamentacoes em Jerusalem

O passeio terminou no Monte das Oliveiras e o visual espetacular sobre a cidade de Jerusalém e o Monte do Templo, onde está localizado o Domo da Rocha e a sua vistosa cúpula dourada – sagrada para os muçulmanos.

Tivemos um motorista e um guia o tempo todo com a gente para fazer esse roteiro de um dia em Israel – saímos do hotel às 8h e só voltamos às 18h.  Éramos um grupo de 4 pessoas e o preço do serviço foi aproximadamente 100 dólares para cada. Valeu super a pena ver toda essa história de perto!

Share

5 Comentários

    • A Terra Santa não estava no meu roteiro original, mas quando decidi sair um dia da Jordânia para visitá-la, senti que valeu muito a pena! Quero voltar a Israel para conhecer mais sobre o país!

Exibir Comentários

Deixe uma resposta

Close