Como vocês sabem, o Vitor e a Marcela estavam morando na Áustria e passaram uns dias na Holanda, na virada do ano. A viagem rendeu fotos lindas, muitas histórias… e as dicas super práticas e engraçadas que o Vitor preparou para quem também está indo explorar os Países Baixos. Muitas das dicas também valem para outras cidades da Europa. É bom ficar de olho para evitar problemas com o choque cultural! Aí vai:

Holanda - Parques– Tudo em holandês!

Apesar de receber muitos turistas, a Holanda (inclusive Amsterdam) parece não se dar conta de que sua língua só é falada/ensinada lá (ou, simplesmente, eles não dão a mínima). Nos surpreendemos ao ver que todos os avisos, placas, indicações de segurança e cartazes eram em holandês, sem tradução para o inglês! Portanto vale a pena levar um dicionário e decorar palavras como “proibido”, “entrada/saída” ou “aberto/fechado”, para citar alguns exemplos.

Na rua e nas lojas, em compensação, todos falam inglês – e falam muito bem, em geral. Isso facilita bastante as coisas, ainda mais pelo fato dos holandeses serem bastante amistosos.

– Evite Amsterdam em feriados.

Sei que é difícil pois é justamente quando temos dias livres, mas essa dica é tanto importante quanto salutar. Pra quem conhece o Rio de Janeiro, Amsterdam no Ano Novo mais parece a Rua da Alfândega em véspera de Natal. Com um (grande) detalhe: são mais ou menos 7 homens pra cada mulher. Outro detalhe: quando anoitece, a maioria está dopada de alguma forma. Logo, as damas podem se sentir desconfortáveis ao entrar em um bar, por exemplo. Isso para não falar dos preços, que vão para a estratosfera. Darei uma dica abaixo para contornar isso.

Os saborosos e imperdíveis queijos holandeses

Os saborosos e imperdíveis queijos holandeses

– Inverno na Holanda não é bom negócio.

Até que não achei muito frio, mas chove fino com frequência e os parques estão com poucas folhas. Apesar de ter achado lindo mesmo assim, vi fotos incríveis do país da primavera e acho que seria uma experiência legal ir para lá nessa época do ano.

– Vento. Muito vento.

Prepare-se para o vento, principalmente quem tem cabelo comprido. Como? Com touca, ora. Lembre-se de levar capa de chuva e um guarda-chuva que aguente uma ventania. Quem visitar vai achar engraçado que os holandeses não ligam para a chuva e andam normalmente pelas ruas – parece que só nós, turistas, nos molhamos! Pelo que ouvi, isso acontece quase o ano todo.

– There is no free lunch… Guarde as moedas!

Isso é uma lei na Holanda e principalmente em Amsterdam. Guarde parte do troco em moedas pois quase todos banheiros são pagos. Se você entrar em algum lugar, como um coffeeshop, por exemplo, terá que comprar algo para ficar e isso é por cabeça. Tirando as lojas de roupa, não existe aquela velha desculpa de “estou só olhando” ou “estou esperando um amigo”.

– Gorjetas, por favor…

Assim como a dica acima, isso vale para Europa como um todo. Não há 10% para os garçons na Holanda, portanto a gorjeta é dada por fora. Se a conta der €12,40 (e você tiver apreciado o serviço) não é educado pedir troco. Por isso falei acima para guardar parte do troco em moedas, pois às vezes vale a pena deixar a gorjeta à parte (quando pagar com cartão por exemplo). E não é apenas educação: você pode vir ser maltratado na saída por isso. Claro: se estiver na dureza, danem-se as gorjetas, mas caso contrário, tips please.

O país tem 16.653.000 habitantes e 16.500.000 bicicletas. Todo mundo de bike!

O país tem 16.653.000 habitantes e 16.500.000 bicicletas. Todo mundo de bike!

– Não vá se perder nem morrer atropelado em Amsterdam!

Pode parecer que estou exagerando, mas não estou. Você acaba de visitar a Inglaterra ou a Áustria e acha que é só pisar na rua e todos carros, motos, bicicletas param pra ver você passar não é? Errado! Pedestre não tem prioridade na Holanda. Tome muito cuidado principalmente com as bicicletas, que vêm a todo vapor. Para se ter uma ideia, vi em Amsterdam um ciclista xingar um senhor que empurrava um carrinho de bebê por demorar a passar. O mesmo acontece com trams e ônibus. Logo eu aprendi a admirar a paisagem da calçada de pedestre.

A cidade é um pouco confusa e as lindas casas, canais e pontes parecem se repetir por todo lado! Portanto é fácil se perder. Minha sugestão: compre um GPS portátil. É barato e vale muito a pena, acredite. Se estiver duro, ao menos não esqueça seu mapa porque as indicações não são boas (e estão em holandês!)

– Bicicletas e mais bicicletas!

Amsterdam é líder europeia no ranking de quilômetros rodados de bicicleta por habitante. De fato, é impressionante a quantidade de bikes nas ruas. Por que não alugar uma para rodar pela cidade? É barato, não polui e, de quebra, você ainda faz exercício! Porém sugiro se informar sobre as regras para ciclistas. Você pode ser multado por avançar o sinal de trânsito da ciclovia ou por estacionar em lugar proibido. Também tem outros detalhes como levantar a mão para dar seta, etc.

– Minha opinião, barco não.

Essa dica é, na verdade, uma preferência pessoal. Em pontos turísticos são vendidos passeios de barco a partir de 1hr de duração. Nós fizemos mas achamos um saco, muito entediante e acabamos saltando antes do ponto final. Muito melhor conhecer tudo a pé ou de bike.

O hostel StayOkay entre Utrecht e Bunnik

O hostel StayOkay entre Utrecht e Bunnik

– Para os fumantes de grama…

Só para constar: na Holanda as drogas leves são toleradas e não legalizadas. Portanto não compre um baseado e saia fumando na rua porque a população local não vai gostar. Existem placas na rua dizendo que é proibido fumar maconha ali (em holandês). Portanto, se você for desses, vá a um coffeeshop e fume lá! Para quem gostaria de visitar mesmo sem fumar, apenas para ver como é o ambiente, eu sugiro o Prix D’Ami. É um dos poucos coffeeshops em que se pode entrar e ficar sem comprar nada. São 4 andares com direito a lounge, sinuca e uma sala com poltronas e cinema 3D (!!!).

– Não fumante, por favor!

Uma característica bastante atrasada da Europa no geral é a questão de ser permitido fumar em lugares fechados. Sim, pode e as pessoas fumam muito. Então vai minha dica: antes de sentar confortavelmente, desembainhar mochilas, mapas e outras tralhas e pedir o seu cappuccino, pergunte se há mesa na área de não fumantes. Existem ambientes só para não fumantes e estabelecimentos que não admitem fumaça.

Aproveite para experimentar cervejas

Aproveite para experimentar cervejas

– Experimente a cerveja local.

Essa é mais pra quem gosta de cerveja. As holandesas são excelentes e existem aos montes, a começar pela famosa La Trappe. Cervejas mais comerciais belgas, como Duvel ou Westmalle, também são super baratas no mercado. Porém vale a pena visitar cervejarias ou lugares como o Jopen Kerk (igreja do chope), em Haarlen, que são bares com produção própria. Lá gastamos €15 cada um e fomos super bem atendidos. Experimentamos 5 das 7 cervejas (maravilhosas) produzidas por eles e ainda recebemos várias provas de algumas que não constavam no cardápio. Pergunte no seu hostel ou hotel onde beber uma boa cerveja e não deixe de pedir dicas ao “maître” ou garçom, eles sacam muito da coisa.

– Não gaste com água.

Essa dica vale para boa parte da Europa ocidental. A água da torneira na Holanda é potável e mesmo não sendo como na Áustria, é muito boa. Leve uma garrafinha ao sair e sempre que visitar um banheiro decente e limpinho, aproveite para encher.

Share

 

13 Comentários

  1. O trânsito em Amsterdam é complexo e é preciso prestar atenção ao atravessar a rua. Não dá para atravessar “à brasileira”, porque de onde você menos espera vem uma bicicleta ou até mesmo um tram (aqueles trens/bondinhos que são como um metrô de superfície). É melhor ir para a faixa de pedestres e esperar o sinal fechar, como manda o figurino.

  2. Eu aluguei uma bike em Amsterdam, mas tem que andar rápido pela ciclovia pq os holandeses não tem mta paciência… Diferente dos cariocas à beira da praia, eles usam a bicicleta como um meio de transporte de verdade, e não como um passeio ao ar livre, então estão sempre com pressa.

  3. Ótimas dicas! Apenas complementando, a La Trappe é uma cervejaria trappista Holandesa, e vale muito a visita ao mosteiro onde se fabricam as cervejas, o tour guiado com degustação é super legal e tem um restaurante lindo e super gostoso, fica há cerca de 1h e meia de carro de Amsterdam. Abs!

    • Que bom, Helena! Também adoro aprender sobre outros países! Obrigada pela visita ao blog e pela mensagem 🙂

Exibir Comentários

Close