O Residenz de Munique era onde moravam os Duques e Reis da Baviera desde 1508 até 1918. Ao longo dos anos, o palácio foi sendo expandido e cada vez mais adornado. Hoje, é o maior complexo de museus da região sul da Alemanha.

Residenz Munique - Um dos 130 comodos (foto do blog Vontade de Viajar)

O valor do ingresso pode variar, de acordo com as exposições que você quer ver. Nós pagamos € 13 pelo ticket que dava direito a visitar, além do palácio residencial, a Câmara dos Tesouros e o Teatro Cuvilliés.

São mais de 130 cômodos, todos altamente decorados com móveis, peças de ouro e tapeçaria. Aqui a gente fez uma seleção dos nossos preferidos, os mais legais, que merecem uma atenção especial 🙂

Residenz Munique - Antiquarium (foto do blog Vontade de Viajar)

O Antiquarium foi um dos primeiros a tirar nosso fôlego, com sua galeria de 66 metros de comprimento que guarda uma grande coleção de bustos e esculturas clássicas e renascentistas.

Outro trecho interessante logo no início da visita é a coleção de porcelanas trazidas da China em 1600, tão valiosas quanto joias. Às vezes, ourives europeus ainda acrescentavam ornamentos de ouro – eventualmente chegando a transformar a peça tão completamente que um vaso de flores poderia se tornar um candelabro.

Residenz Munique - Galeria dos Ancestrais (foto do blog Vontade de Viajar)

Desenhada pelo mesmo arquiteto que projetou o Teatro Cuvilliés, a Galeria dos Ancestrais exibe mais de 100 retratos da família Wittelsbach em molduras douradas, formando um corredor impressionante.

O Salão Imperial, onde eram os bailes da corte, também está na lista dos imperdíveis. Vale observar a escadaria que leva ao salão, toda ladeada por colunas de mármore. Menos luxuoso mas bastante curioso é o Black Hall, cujo teto foi pintado para parecer muito mais alto do que realmente é, numa ilusão de ótica bem interessante.

Residenz Munique - Pintura em perspectiva no teto do Black Hall (foto do blog Vontade de Viajar)

Seguindo a visita, a gente passa pela pequena Capela Raiche, construída em 1607 para o Duque Maximiliano I e sua esposa. Ali está mantida a preciosa coleção de relíquias religiosas do casal – e a própria capela é incrível, com paredes e piso cobertos de mármore colorido.

Mas o maior local de oração do complexo do palácio é a Igreja de Todos os Santos, que foi quase completamente destruída na II Guerra Mundial e só reabriu ao púbico 2003. Após a reconstrução, a igreja ganhou um ar mais moderno com o interior sem revestimento e passou a ser usada como sala de concertos. É chocante ver a imagem de como a igreja era em meados de 1800 e como ficou depois dos estragos da guerra.

Já no final da visita fomos ver a Câmara do Tesouro, outra grande atração, que exibe joias medievais e clássicas, peças religiosas e tesouros de guerras (por isso tantos objetos de origem turca). Uma das nossas peças preferidas foi uma pequena estátua de São Jorge adornada com rubis – o santo era o padroeiro da família real da Baviera.

Acho que devo mencionar também a Grottenhof, uma espécie de gruta com fontes cobertas de conchas. É bonito, há quem considere totalmente fantástico e imperdível, mas achei meio esquisito.

A gruda fica de frente para um jardim interno do palácio, que deve tornar o cenário mais bonito num dia de sol. Não demos essa sorte no dia em que visitamos o Residenz – chovia sem parar e a passagem para o jardim estava fechada com uma cortina de plástico…

Bem ao lado, uma “pequena grande descoberta” que se mostrou útil por todo o resto da viagem: na Alemanha, portas com dois zeros indicam que ali é um banheiro! Fiquei procurando plaquinhas de “WC” um tempão… jamais teria adivinhado!

Encontre um hostel para ficar em Munique no Booking.com

Residenz Munique - Teatro Cuvillies (foto do blog Vontade de Viajar)

Anexo ao complexo do Residenz, o Teatro Cuvilliés é riquíssimo mas não é grande: originalmente era reservado apenas para membros da corte, não era aberto ao público. Construído em 1751, é um dos poucos teatros europeus da época que ainda está de pé, e uma obra-prima do estilo rococó.

A entrada que leva ao teatro é pela Residenzstrasse, rua que acompanha a lateral do palácio e que foi palco de importantes acontecimentos históricos. Mesmo que você não pretenda visitar o Cuvilliés, não deixe de passar por ali, pois a fachada deste lado do prédio é muito curiosa. Assim como no Black Hall, a pintura é usada para criar uma ilusão de ótica e simular a arquitetura renascentista.

Residenz Munique - Fachada pintada imitando arquitetura renascentista (foto do blog Vontade de Viajar)

Ouvi dizer que isso foi porque a prefeitura de Munique se recusou a aumentar os impostos dos cidadãos para restaurar os detalhes originais danificados na guerra. Não consegui confirmar em nenhuma fonte oficial, mas se essa história é verdade, é maneiríssima!

Ah! Antes de ir embora, a tradição manda tocar o focinho dos leões de bronze que guardam a entrada, para dar boa sorte! 😉

O belo Castelo de Neuschwanstein a 2h de Munique
3 hostels top para ficar em Munique
Share

9 Comentários

  1. Prezados
    Sabem me Informar:
    Qual a melhor època do ano para viajar para alemanha!!! tenho preferência no verão!!!!mais gostaria de saber como é a cidade no verão e Inverno, relacionados a passeios, festas.etc
    Lugares para ficar tipo Albergue é ideal!!!
    Qual a melhor cidade para ficar na Alemanha!!!Berlim, Munique ou etc!!
    Sds

    • Oi, Tel
      O verão na Europa é maravilhoso, mas dá para curtir todas as estações. Mesmo no inverno as paisagens ficam lindas com a neve e os mercados de Natal da Alemanha são muito famosos. Acho que a primavera é uma boa ideia – ainda faz frio mas as cidades ficam animadas quando a temperaturacomeça a subir: Berlim começa a ter eventos como o Bite Club (http://fb.me/6AycffV0Z) e karaokês ao ar livre, enquanto Munique tem um festival parecido com o Oktoberfest (http://wp.me/p4eMct-1vN). Além disso, os preços e as muvucas são menores que no verão.

      A escolha da cidade depende do seu estilo de viagem. Munique é mais apegada às tradições e Berlim é mais cosmopolita. Mas seja qual for o destino, sugiro fazer passeios bate-e-volta para cidades menores por perto, para ver um pouco do interior do país.
      Quanto aos albergues, dá uma olhada nesse link: http://vontadedeviajar.com/tag/albergues-na-alemanha/
      Abs e boa viagem!

Exibir Comentários