Catacumbas de Paris: segredos no subterrâneo

Colaboração de Louis Charles, canadense do Québec que agora mora na França.

Foi depois de uns dois meses da minha chegada em Paris que descobri a existência de uma rede de túneis sob a cidade: as Catacumbas. Eu tinha saído à noite para encontrar uns amigos e, na volta para casa, parei por um instante para consultar o mapa. Foi então que algo atraiu minha atenção: um grupo de cerca de dez pessoas se começou a se alinhar ao lado de uma saída de esgoto, todos esperando sua vez de descer por uma abertura no canto da calçada. Surpreso, eu fiquei olhando as pessoas desaparecem buraco abaixo.

A entrada das Catacumbas de Paris
Entrada das Catacumbas de Paris

Sem perceber, eu preparava para me juntar a eles e ver o que se escondia sob as ruas de Paris. Depois de descer uma pequena escada, saímos em um túnel de pedra, alto o suficiente para caminhar sem termos que nos abaixar, e grande o suficiente para 2 ou 3 pessoas para ficarem lado a lado.

Puxei assunto com o cara que estava mais próximo de mim, perguntando onde eu estava e o que estava acontecendo. Ele disse que não fazia parte daquele grupo, que estava apenas passando por ali quando a galera desceu, mas acrescentou que estava acostumado a passear pelos canais subterrâneos e disse que eu podia me juntar aos seus amigos para dar uma volta. Minha primeira viagem nas Catacumbas de Paris tinha começado!

Conheci naquela noite uma rede de túneis no subsolo de Paris que se estende por cerca de 280 km. Eles são resultado das escavações feitas a partir do século XIII para garantir o fornecimento de material de construção para a cidade que crescia cada vez mais na superfície. Essas minas são também o motivo pelo qual, até hoje, a cidade não pode ter muitos prédios altos – pois a estabilidade das fundações seria comprometida.

As minas abandonadas funcionam hoje em dia como uma espécie de esconderijo para os muitos adoradores do subterrâneo de Paris, conhecidos como “cataphiles”. Mas essa não é a parte mais estranha da história.

Durante o século XVIII, o rápido crescimento da população parisiense resultou a saturação dos cemitérios que serviam a cidade, provocando a necessidade de exumação. Alguns trechos das minas, que já estavam desativadas naquela época, foram sendo transformados em um ossário pitoresco e bizarro. Ali estão abrigados os restos mortais de mais de 6 milhões de pessoas.

Embora nem todos os túneis tenham sido usados para acomodar as ossadas dos cidadãos mais antigos da cidade, é comum chamar de Catacumbas todo o labirinto subterrâneo parisiense.

Ossuário Municipal de Paris: o pequeno trecho aberto a público
Ossuário: o pequeno trecho aberto a público

A visita ao Ossário Municipal é controlada, com entrada pela Praça Denfert-Rochereau. Os tours oficiais são pagos (€ 8) e acontecem de terça a domingo, das 10h às 16h, percorrendo um trecho de aproximadamente 2 km.

Para ver além desse trecho aberto ao turismo, apenas alguns poucos pontos de acesso permanecem, pois a partir da década de 1980 a polícia passou a soldar as tampas de bueiro que se abrem sobre as antigas minas (visitas clandestinas às galerias subterrâneas podem ser punidas com multa). Ainda sim, os cataphiles repetidamente reabrem os acessos e continuam a passar as noites explorando os segredos que se guardam de 10 a 30 metros abaixo das ruas de Paris.

2 comentários

Deixe uma resposta