Deserto do Atacama: os cenários mais incríveis do planeta

O Deserto do Atacama é um daqueles lugares fantásticos que provam que a América do Sul tem muito mais a oferecer do que a famosa dobradinha Buenos Aires e Bariloche. Quem pensa que o deserto se resume a uma terra vazia e inóspita, chega lá e se surpreende com um grande conjunto de cenários singulares e paisagens que fazem valer a viagem.

Deserto do Atacama - Estrada pro Atacama - foto Caroline Pereira
Estrada para o Atacama

Tudo começa em Santiago, no Chile, de onde se pega um vôo para a cidade de Calama e dali uma van que sai do próprio aeroporto (Transfer Licancabur) leva os viajantes até o pequeno vilarejo de San Pedro de Atacama.

Lá a infraestrutura é bastante precária, o que é de se esperar visto que ela se localiza no meio do nada. Luz elétrica e água quente são alguns confortos aos quais a gente só dá valor quando não tem. Tirando esses pequenos inconvenientes, o vilarejo possui bastante opções para os turistas, desde restaurantes até os mais diversos tipos de atividades de lazer.

Deserto do Atacama - Laguna Miscanti - foto Luiz Davim
Laguna Miscanti

Dei sorte de estar na cidade no dia de São Pedro, quando todos os moradores vão para a praça principal festejar ao som de músicas típicas e com muita dança.

No Atacama tem atividades para atender aos mais diversos estilos de viajante. Para os que gostam de história, o deserto é um prato cheio para aprender sobre a cultura do antigo povo Atacameño e seu culto ao vulcão Licancabur.

Salar de Tara
Salar de Tara

Os aventureiros adorarão fazer os passeios de sandboard ou alugar uma bicicleta e explorar por conta própria a região. E os que gostam de fotografia ficarão felizes de ver lugares únicos como os salares e as “lagunas” da região.

E sem falar que o deserto é uma das melhores áreas do planeta para observar as estrelas, pois permite uma visão privilegiada do céu como não se consegue ter nos grandes centros urbanos tão poluídos e iluminados.

Deserto do Atacama - Estrada - foto Caroline Pereira
Passeio no deserto

Dentre os passeios mais populares estão o Salar de Tara, o Pukará de Quitor, a Laguna Miscanti, o Valle de La Luna, o vulcão Licancabur, os gêiseres de El Tatio e o parque dos flamingos. Porém apenas ter a oportunidade de sentar na praça e vivenciar um pouco da cultura dos locais já faz valer (e muito) o passeio.

Deserto do Atacama - Flamingos no deserto - foto Caroline Pereira
Flamingos no deserto

Não faltam agências turísticas espalhadas pela cidade. Você pode ter uma ideia dos roteiros e preços dos tours pelos sites Vive Atacama, Andes Traveller ou Vulcano Expediciones, mas o ideal é pesquisar bem os preços e negociar ao chegar lá em San Pedro, pois as agências costumam compartilhar os guias, então não há muita diferença dos serviços de uma ou de outra. Uma que tinha preços em conta era a agência Lickan Antay.

Deserto do Atacama - Valle de la Luna - foto Luiz Davim
Valle de la Luna

Em relação à hospedagem, vale a pena buscar um hotel (ou albergue) de qualidade, mesmo que custe um pouco mais. Algumas hospedarias (como o Hostel Corvatsch, onde eu fiquei) não são bem preparadas para o frio, fazendo do sono e do banho atividades muito difíceis. Não se pode esquecer que o Atacama é um deserto, então à noite as temperaturas são baixíssimas.

Deserto do Atacama - Laguna Tebinquinche cheia de sal - foto Camila Vasques
Laguna Tebinquinche cheia de sal

Um grande ponto positivo da região é que dali pode-se iniciar uma jornada até a Bolívia, passando pelo espetacular Salar de Uyuni – mas os detalhes sobre essa maravilha ficam para um próximo post.

Em resumo: prepare sua mochila, leve muitos agasalhos e vá conhecer este pedaço único da América do Sul.

8 comentários

  1. Tenho uns amigos que já fizeram essa viagem de Atacama até o Salar de Uyuni. Dizem que é um pouco perrengue mas que vale a pena pq é lindo demais!

  2. Oi Tixia,
    Eu fiquei 3 dias e 4 noites, deu para ver bastante. Mas com certeza se tivesse ficado mais ainda tinha muita coisa legal para fazer.
    Recomendo no mínimo esse período, mas se puder fique uns 4, 5 dias e não se arrependerá.
    Boa viagem!

  3. Ola, estou sempre de olho no seu blog e planejando meus roteiros, dessa vez estou indo para o Atacama, só estou em dúvida. Qual é a melhor época para ir no ano ? tem algum período muito chuvoso ou ago assim ? estou pensando em ir novembro desse ano, será que é uma boa. Abraços.

    1. Oi, Sidney! Que bom saber que você gosta do blog 🙂
      Novembro é um período bom, sim, pois as temperaturas são menos extremas. Que eu saiba, única época que não é boa idéia é fevereiro, que é quando chove e faz lama por todo lado em San Pedro.
      Abs e boa viagem!

Deixe uma resposta