As Casas de Pablo Neruda, no Chile

As casas de Pablo Neruda oferecem um roteiro lindo pelo Chile: Santiago, Valparaíso e Isla Negra. Em cada cidade, um registro das histórias e das paixões do escritor.

Santiago: La Chascona

Neruda construiu esta casa em 1953 para se encontrar às escondidas com sua amante Matilde Urrutia.

casas-de-neruda-no-chile-la-chascona-santiago-foto-adolfo-martins-nao-so-o-gato
La Chascona – Foto: Adolfo Martins

Por causa de sua cabeleira ruiva, ele a chamava “La Chascona” – a descabelada – e assim ficou conhecida também a casa. A ela, foram dedicados Os Versos do Capitão:

… E, quando surges,
todos os rios marulham no meu corpo
os sinos abalam o céu
e um hino enche o mundo.
Apenas tu e eu,
apenas tu e eu, meu amor,
o escutamos.

A casa foi criada por um arquiteto catalão – Neruda era diplomata e havia passado uma temporada em Barcelona. E a arquitetura catalã você sabe como é, nada convencional. A decoração também é super interessante, toda com peças artesanais e móveis de madeira, escolhidas a dedo pelos amantes.

casas-de-neruda-no-chile-la-chascona-foto-adolfo-martins-nao-so-o-gato
Decoração de La Chascona – Foto: Adolfo Martins

No jardim, as flores plantadas pela própria Matilde e um dos motivos dos amantes terem escolhido aquele local: um riachinho encantador com pontezinha de pedra e tudo.

O projeto tinha sido pensado para ficar de frente para a cidade, voltado para o lado do sol, mas o poeta encasquetou que queria a casa de frente para a colina San Cristoban, então virou a planta na hora de construir.

Os amigos de Pablo Neruda sabiam do segredo de La Chascona – o artista mexicano Diego Rivera chegou a fazer um retrato de Matilde, hoje exposto na casa-museu (repare no perfil de Pablo Neruda escondido entre os cabelos ruivos de sua amante, no canto direito do quadro).

Enquanto isso, Pablo ainda morava com sua esposa, Delia del Carril, na Casa Michoacan, na Avenida Lynch. Apenas em 1955 o poeta se separou de Delia e foi morar com a outra. Veja endereço, horário de funcionamento e preço do ingresso no site oficial.

Valparaíso: La Sebastiana

Cansado de Santiago, Neruda se mudou para Valparaíso em 1959, em busca de uma vida mais tranquila, e por isso ele escolheu uma área pouco movimentada da cidade.

Esta não tem nome de uma musa – a casa que havia sido de um arquiteto espanhol chamado Sebastian, e o apelido foi em homenagem a ele.

casas-de-neruda-no-chile-valparaiso
A arquitetura curiosa da casa

Mas como a propriedade era grande demais, Neruda ficou com os dois andares de cima e a torre, enquanto os dois andares debaixo e o sótão foram comprados pela escultora Marie Martner.

Adorei as janelinhas laterais que são como escotilhas de navio e o banco no jardim que tem o desenho do perfil de Pablo Neruda. Para aproveitar a linda vista do porto, o terraço ganhou uma luneta (e dizem que o poeta também espiava uma vizinha que às vezes aparecia de biquini para tomar banho de sol) 🙂

casas-de-neruda-no-chile-banco-la-sebastiana
Banco-escultura no jardim

Mais uma vez, ele se dedicou a cada detalhe da decoração: levou 3 anos para deixar tudo pronto e registrou o processo no poema La Sebastiana:

… Então a pintura
chegou também lambendo as paredes,
vestiu-as de azul-celeste e cor-de-rosa
para que se pusessem a bailar.
Assim a torre baila,
cantam as escadas e as portas,
sobe a casa até tocar o mastro,
mas o dinheiro falta: faltam pregos,
faltam aldrabas, fechaduras, mármore.

Hoje estão em exposição na casa as coleções mantidas pelo escritor: mapas, quadros e objetos curiosos de decoração. Em 1997, foi inaugurado um Centro Cultural anexo à casa, que promove exposições, conferências e cursos de poesia. A biblioteca também é riquíssima, com mais de 2.500 livros.

casas-de-neruda-no-chile-la-sebastiana
As cores de La Sebastiana

Se você ficou a fim de visitar, vale saber que Valparaíso fica a cerca de 2h30 de Santiago e existem várias empresas de turismo que oferecem passeios de um dia – mas se você quiser tempo para explorar o museu com calma, talvez seja melhor ir por contra própria.

Veja endereço, horário de funcionamento e preço do ingresso no site oficial.

Isla Negra: Las Gaviotas

A pouco mais de 2 horas de Santiago, Ilha Negra é uma pequena vila de pescadores no litoral chileno, conhecida mesmo por ter abrigado a casa do escritor após seu retorno da Europa.

Essa eu não tive oportunidade de conhecer, mas a Day, do canal Lole Pocket, fez um vlog mostrando como é a viagem de Santiago para lá:

Dizem que esta é a casa mais representativa do imaginário poético de Neruda. Lá estão os objetos que ele trouxe de toda parte do mundo: barquinhos, conchas, cachimbos e garrafas de formatos engraçados… Pablo se dizia um “coisista”, gostava de acumular coisas e souvenirs 🙂

E, talvez por saudade do terraço de La Sebastiana, ele fez questão de abrir um terraço no alto desta casa também, para apreciar a vista o encantava.

O Oceano Pacífico saía do mapa. Não havia onde o pôr. Era tão grande, desordenado e azul que não cabia em nenhuma parte. Por isso o deixaram em frente à minha janela.

casas-de-neruda-no-chile-isla-negra-foto-molly
A casa mais pitoresca – Foto: Molly

O local originalmente se chamava Las Gaviotas, mas Neruda renomeou como Ilha Negra pelas rochas pretas que cercam o mar e a tranquilidade que ele tanto gostava.

Pablo Neruda morreu em 1973 e foi sepultado em túmulo anônimo no Cemitério Central de Santiago – sua obra havia sido censurada pela ditadura de Pinochet. Só em 1992, dois anos depois da democracia se reinstaurar no Chile, o poeta recebeu as devidas homenagens e teve atendido o pedido feito 50 anos antes:

Companheiros,
enterrem-me na Isla Negra
defronte do mar que conheço
de cada área rugosa de pedras
de ondas que meus olhos perdidos
não voltarão a ver…

Casas de Neruda no Chile - Matilde
De frente para o mar – Foto: Molly

Nos jardins de sua antiga casa, agora está o mausoléu do poeta, na forma de um barco, de frente para o Oceano Pacífico.

Veja endereço, horário de funcionamento e preço do ingresso no site oficial.

12 comentários

  1. Eu conheci duas das casas, só não pude ir à Isla Negra. Os passeios são encantadores mesmo e os lugares exalam a infinita paixão e a personalidade singular do Neruda. Vale a pena!

  2. Já visitei a La Chascona ao anoitecer e de tarde. Achei melhor de tarde. A casa foi inspirada num barco e alguns cômodos passam bem essa idéia. Numa próxima viagem ao Chile não deixo de visitar La Sebastiana por dentro e quem sabe Isla Negra também! 🙂

  3. Muito lindo a casa de Valparaiso é linda. Com um visual deslumbrante do porto de Valparaiso. Fui em Dezembro / 2013, e não agendei previamente. Aguardei 15 minutos para entrar tranquilamente.

  4. Olá! Tenho muita vontade de ir ao Chile. Provavelmente em 2016 realizarei esse desejo e gostaria de dicas de agências que façam um roteiro incluindo as tres casas de Neruda! Existe? Obrigada!

Deixe uma resposta


Close